Sucesso na advocacia: o papel do empreendedorismo no êxito profissional

Felipe Bayma - Advogado

Para se obter êxito na carreira, não basta mais, ao advogado, somente dominar o conhecimento jurídico. Em razão da ampla concorrência de mercado, o profissional da advocacia é cada vez mais exigido. Entre tantos desafios, visão e atitudes empreendedoras são essenciais.

Para compreender um pouco mais sobre temática indispensável ao advogado de sucesso, convidamos o Dr. Felipe Bayma, Presidente da Comissão de Empreendedorismo Jurídico da OAB/DF (Cejur-OAB/DF), para uma entrevista exclusiva sobre o empreendedorismo na advocacia.

Felipe Bayma, além de presidente da Cejur-OAB/DF, também é fundador do escritório Bayma e Fernandes Advogados Associados (com relevante atuação internacional). O nosso entrevistado também se destaca como palestrante, conselheiro da OAB/DF (pela terceira gestão consecutiva), membro da Comissão de Gestão, Empreendedorismo e Inovação do Conselho Federal (CFOAB) e membro do IADF (Instituto dos Advogados do Distrito Federal).

Esta entrevista exclusiva é a primeira de uma série especial intitulada “SUCESSO NA ADVOCACIA”, onde conversamos com renomados(as) profissionais – todos(as) especialistas em suas áreas de atuação e com êxito em suas carreiras – sobre os desafios e oportunidades de cada seara jurídica, com o objetivo de extrair lições e dicas práticas para você, nosso(a) querido(a) leitor(a), que busca o seu lugar ao sol.

VIVER DIREITO – O que é uma advocacia empreendedora e qual é a sua importância?

FELIPE BAYMA – Para responder essa pergunta vou mencionar o meu conceito de empreendedorismo, qual seja, estado de consciência ativo, somado à um comportamento de ação constante e cotidiano, na busca de ferramentas e habilidades para atingir um objetivo específico de sucesso. Então na minha ótica a advocacia empreendedora é a busca de ferramentas de sucesso (que infelizmente não faz parte da matriz curricular do curso de direito) para potencializar o processo interno e externo do exercício profissional.

Isso quer dizer que você deve enxergar o seu escritório como um negócio e aplicar estratégias empresariais na sua gestão e crescimento, o que irá ocasionar maior organização, produtividade, maiores rentabilidade e satisfação do cliente.

VIVER DIREITO – Quais são as principais características de um(a) advogado(a) empreendedor(a)?

Entendo que não existe receita pronta para empreender, ou seja, cada um tem seu caminho, porém entendo que algumas características são de extrema importância para o advogado empreendedor:

  • AUTOCONHECIMENTO: É necessário identificar, através de autoconhecimento, quais as suas principais características e qualidades para se tornar um empreendedor de sucesso, identificando de forma sincera, quais são as suas forças e as suas fraquezas. Após isso, estudar para desenvolver as habilidades que precisam ser melhoradas.
  • Identificar de forma sincera a missão, a visão e os valores da sua banca.
  • Se aproximar de pessoas que se complementam a você e não que sejam iguais a você. A diversidade de competências é fundamental para o sucesso do negócio.
  • Como atestou Walt Disney: “Você pode sonhar, criar, desenhar e construir o lugar mais maravilhoso do mundo. Mas é necessário ter pessoas para transformar seu sonho em realidade”.
  • Vivenciar a AUTORESPONSABILIDADE: Quando você entende ser o único responsável pela vida que tem levado, sendo o único que pode mudá-la.
  • Muitas das vezes temos uma visão deturpada de nós mesmos. Você é o resultado do que você pratica.
  • Sempre se perguntar: qual é o meu resultado? Quais ferramentas estou utilizando para rodar em alta performance e consequentemente atingir meus objetivos profissionais?
  • Buscar mentorias de pessoas qualificadas e mais experientes nas diversas áreas da sua vida.
  • Como está estampado nos manuscritos da Arte da Guerra de Sun Tzu: “Um soberano rodeado de pessoas certas prospera. Aquele que não conseguir essa condição cairá em ruína”.
  • Fazer um adequado PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: O planejamento é uma poderosa ferramenta para o advogado empreendedor: nele é possível levar em consideração uma análise interna e externa da sua advocacia para formular estratégias com foco em um determinado objetivo, mobilizando recursos humanos e financeiros para atingi-lo.

Com isso conseguirão responder três questões que julgo fundamentais:

1) Onde estou?

2) Para onde vou?

3) Como vou?

Acredito que essas são características extremamente necessárias ao advogado empreendedor.

VIVER DIREITO – Como desenvolver parcerias de sucesso na advocacia?

O primeiro hábito mental que você deve abandonar, ao buscar nas parcerias uma forma de atingir o sucesso na Advocacia, é pensar seus concorrentes como adversários e tentar enxergar as oportunidades.

E para encontrar os melhores parceiros possíveis, você deverá criar estratégias que te posicionem no mercado de uma forma mais forte.

Para tanto, seguem algumas sugestões de como construir diferenciais que vão efetivamente chamar a atenção de possíveis parceiros:

  1. ter um blog com um conteúdo para clientes;
  2. criar um canal de vídeos com conteúdo jurídico;
  3. criar um portfólio de palestras e disponibilizá-lo para a comunidade jurídica e não jurídica;
  4. fazer networking, aproveitando oportunidades de contato em eventos jurídicos para apresentar seus diferenciais e sugerir uma conversa posterior, para discutir uma parceria;
  5. desenvolva projetos arrojados, que impressione seus concorrentes e o torne atrativo como parceiro potencial;

Ressalto que parceria também requer estratégia. Fazer as coisas acontecerem exige muito planejamento, para tentar antecipar caminhos e resultados.

É um erro iniciar parcerias, sem antes pensar e planejar suas ações de forma muito bem elaboradas, para encontrar bons parceiros que venham a agregar valor à sua advocacia.

VIVER DIREITO – Como realizar marketing jurídico sem ferir os preceitos da advocacia e o Código de Ética?

Gerando autoridade em determinado assunto, e divulgando esse conhecimento através de marketing de conteúdo. Não é vedado a nenhum advogado gerar conteúdo jurídico, principalmente através do marketing digital.

VIVER DIREITO – Como o Sr. avalia a formação dos(as) estudantes de Direito no que tange ao exercício da advocacia empreendedora? O que pode melhorar?

Infelizmente na formação dos juristas não é oportunizado o aprendizado de disciplina que trate de empreendedorismo e gestão de negócios, que venham tratar de importantes temas como planejamento financeiro, planejamento estratégico, networking, gestão de processos, prospecção de clientes e outros.

Acredito que quando esse ideal se tornar realidade será um grande avanço.

Lembrando que a primeira medida tomada pela Diretoria da Comissão de Empreendedorismo da OABDF, na qual estou presidente, foi oficiar todas as instituições de ensino superior do DF requerendo a inclusão da disciplina de empreendedorismo jurídico.

Veja também